15 de nov de 2013

POSTANDO NO ANIMESPIRIT

PEÇO MIL DESCULPAS POR NÃO ESTAR MAIS POSTANDO. AGORA IREI POSTAR NO ANIMESPIRIT. THE PREDICTION. LINK <<<

25 de jun de 2013

The Prediction - Capítulo 10

 

    Eu passei todos esses anos presa neste lugar horrível sem ter contato com ninguém além dos  médicos e dos internados. Como ele sabia o meu verdadeiro nome? Como ele sabia que minha irmã tinha morrido? Isso é louco , essa sensação é louca. Ele me deixou assustada , com medo. Mas o que ele queria dizer com ''  ela vai ter que aceitar tudo o que eu sei sobre ela para poder tira-la daqui '' . Eu não gosto de lembrar o que aconteceu comigo e com a minha mãe , mas também não teria coragem de fazer alguma coisa ao meu pai... 

    Abri a gaveta do raque e peguei minha caixinha de música que ganhei ganhei quando tinha 3 anos que minha mãe fazia questão de guarda com todo o carinho.

[...]

- Quem é a princesa? - falava minha mãe
- A Plincesa sou eu. Quem mais poderia ser?
- E a sua irmã é o que? - perguntou meu pai
- É irmã da plincesa!
- Eu sou irmã da plincesa?
- Nããoo Jamie - falei irritada - Se você é minha irmã e eu sou uma plincesa  você também é.
- Huuuum é veldade. EU TAMBÉM SOU UMA PLINCESA - falou gritando de alegria
- Eu e você é plincesa - Cantarolei
- E toda princesa tem uma caixinha de música - falou novamente minha mãe.
- Sério? - Jamie falava com os olhinhos brilhando
- Ahaaam. E adivinhem o que tem aqui?
- UMA CAIXINHA DE MÚSICA? - falamos juntas
- Siiim - Meu pai fez cócegas em nós.

[...]

    Ainda consigo me lembrar com pouca clareza daquele dia. Os cheiros e os sons as vezes fazem o passado vir na mente. Olhei para a caixinha de música e comecei a chorar , até o Richard interromper meus pensamentos.

- Jamie , por que você ainda ta chorando? - Foi até mim
- Eu só tava... - pausei - lembrando do passado.
- Você não quer me contar? Faz bem. - pegou em minha mão
- Não seria uma ideia boa.
- Me conta , prometo que vai ser segredo.
- Eu não quero falar sobre isso , por favor.
- Tudo bem , vou respeitar. E essa caixinha de música?
- A caixinha de música?
- Aham
- Meus pais me deram de presente de aniversário de 3 anos - fiz a caixinha tocar
- É por isso que você estava chorando?
- Talvez - passei  a mão de leve sobre minhas lágrimas - Isso me faz lembrar de como éramos felizes.
- Você devia ser uma criança cheia de luz - sorriu
- Eu amava minha família -  dei um sorriso de leve
- E o seu pai?
- É... deixa isso quieto - tentei mudar de assunto - E o meu pé? Ta ardendo um pouco
- Vou tirar o vidro

    Ele tirou o vidro e limpou meu pé.

- Pronto , deixa eu só por um curativo.
- Ta
- Eu sei que você não vai gostar do que eu vou perguntar , mas por que aquele homem te chamou de Julieta?
- Por favor , não me force a falar nada.
- Eu sou seu amigo lembra?
- Sim - abaixei a cabeça
- Eu não to aqui como seu médico , to como seu amigo. Fala pra mim para eu poder te ajudar.
- Ele é só um louco. - eu estava evitando olhar em seus olhos
- Olha pra mim - colocou os dedos no meu queixo e levantou meu rosto me fazendo olhar nos seus olhos - eu sei que você ta mentindo.
- Para de me analisar!
- Eu não to te analisando , eu to conversando como amigo
- Você é psicólogo nunca vai conseguir conversar com alguém sem analisar
- Jamie! Você ta fugindo da conversa. Desabafa comigo. Como ele sabe coisas sobre você?
- Eu não sei Richard , eu nunca vi ele na minha vida , eu to aqui a anos nunca sai daqui , você sabe disso. Ele deve ser um psicopata.
- Mas o que ele sabe sobre você é verdade?
- Eu to confusa com tudo isso Richard - eu não podia dizer que era verdade , se não eu acabaria com a vida do meu pai.
- Você não respondeu minha Pergunta Jamie.
- Não sei Richard , juro que não sei. Eu também queria saber se é verdade.
- Ele disse que o que ele sabia poderia te tirar daqui , eu to tentando te ajudar Jamie , mas você não se ajuda. Eu to tentando intender o porque você veio parar aqui - gritou
- Eu também to tentando intender isso ,mas eu não consigo - Gritei e junto lágrimas escorreram sobre meu rosto.
- Desculpa , eu não queria ter feito você chorar. Eu não devia ter gritado com você. - Me abraçou
- Eu to confusa Richard , to tentando intender tudo isso - me acomodei em seu peitoral.
- Eu vou parar de te fazer perguntas. Melhor você dormir - ficou em pé - você quer algum remédio , alguma comida?
- Não , não quero nada 
- Ta bom então. - Chegou perto do meu rosto e enxugou minhas lágrimas com os dedos - Me desculpa ta?-beijou minha testa
- Ta bom - sorri
- Boa noite - desligou a luz e saiu do quarto.

[...]

    Desde que cheguei aqui aprendi a fugir das perguntas ,se eu quisesse ficar bem teria que fugir delas para apagar o passado da minha mente. Mas hoje não foram as perguntas que me levaram pro passado , foi a verdade da qual eu queria tanto me esconder.

2 Anos Atrás:

-Pai?- Abri os olhos e falei um pouco zonza.
- Oi filha , vai ficar tudo bem - estava me segurando no colo
- O que aconteceu pai? Onde agente ta?- Toci
- Você desmaiou - me colocou na cama
- Foi? Eu não me lembro da gente ter viajado pra cá.
- Filha vai ser difícil te falar isso , você vai ter que saber de uma vez. Sua mãe morreu Jamie
- Minha mãe morreu? Como assim? Eu não sou a Jamie pai , eu sou a Julieta. O que ta acontecendo pai? - Meus olhos se encheram de lágrimas.
- A nossa casa pegou fogo , eu só consegui te tirar de lá. É por isso que agente ta aqui.
- Não pai , você ta mentindo , a mãe não pode ter morrido , já basta a Jamie ter morrido. Eu não vou suportar - eu estava ficando desesperada
- Jamie quantas vezes vou ter que te dizer que você não é a Julieta - pegou nos meus braços e me sacudiu de leve
- Pai você ta me machucando , você nunca fez isso comigo - falei assustada
- Desculpa filha , eu to nervoso com tudo isso. Melhor você dormir , quem sabe volta pra si mesma.- Lágrimas saiam de seu rosto.
-  Não eu não quero dormir , eu quero ver minha mãe.
- Eu vou ter que sair agora , tenho que assinar as papeladas da sua mãe , quando eu voltar agente conversa.

    Quando ele saiu pela porta pude ouvir ele trancar a porta. Corri até lá e tentei abrir a porta ma estava trancada. Comecei a gritar e chorar até adormecer ali mesmo no chão. Horas depois acordei e fiquei sentada no chão pensando no que havia ocorrido. Eu não podia acreditar que minha mãe tinha morrido , eu não vou conseguir lidar com isso. Foi difícil pra mim quando a Jamie morreu , vai ser mais difícil agora. E meu pai estar dizendo que eu sou a Jamie esta me deixando mais confusa ainda. 
     Só agora pude perceber que minhas roupas estavam sujas. Fui até o banheiro e tomei banho para tirar aquele cheiro de fumaça do corpo. Minha mãe sempre deixava algumas roupas aqui , fui até o armário e vesti roupas limpas até ouvir a porta ser aberta. Fui até a sala que dava acesso a porta.

- Quem são eles pai? - eu estava muito assustada
- Por favor Jamie não me faça perguntas , ta sendo difícil pra mim - Uma lágrima escorreu.
- PAI ME DIZ O QUE TA ACONTECENDO POR FAVOR - gritei

    Junto com meu pai vieram 3 homem vestidos de branco. Um estava segurando uma mala. Aquilo estava me assustando. Eles estavam vindo até mim. Me seguraram e eu me debati.

- PAI O QUE ELES QUEREM? VOCÊ VAI DEIXAR ELES ME LEVAREM? NÃO DEIXA PAI POR FAVOR , EU TE IMPLORO PELO AMOR DE DEUS - Eu chorava muito
- Desculpa filha

    Senti uma beliscadinha no meu braço e vi tudo ficar preto. Acordei num quarto pequeno e vazio.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

   Postei mais rápido haha <3 obg gente pelos comentários anteriores. Ganhei um selinho gente. Muito obrigada pelo selinho. No próximo post eu coloco o link com as perguntas e respostas do selinho para não atrasar esse post.

   Me digam o que vocês estão achando da #ib , se devo mudar alguma coisa. Se quiserem dar ideias aceito  *o* haha. Vou tentar postar o mais rápido possível <3

15 de jun de 2013

The Prediction - Capítulo 9

 
   Preferi não insistir e sai dali com uma lágrima sobre meu rosto. Mas eu estava feliz em saber que a mulher que aparecia nos meus sonhos estava ali dentro  a apenas alguns metros distante dos meus braços. Eu tinha que ligar pro Ryan , eu precisava compartilhar minha alegria com alguém.
- Ryan , eu achei ela – Falei rapidamente atropelando as palavras de alegria.
- Você o que?
- Eu achei ela Ryan , você acredita? Eu achei!
- Meu Deus , você viu ela? Como ela ta?
- Eu não vi ela – falei com um pouco desanimado – O pai dela proibiu a visita de outras pessoas a não ser ele.
- Idiota! – Se referio ao pai dela – Ele é perigoso , ele sabia que isso poderia acontecer um dia , então ele foi e se preveniu.
- Exatamente Ryan. Mas eu vou da um jeito. Eu achei ela nesse fim de mundo então vou tira-la daqui.
- E o que você ta pensando em fazer bro?
- Vou tentar entrar lá escondido , é o único jeito.
- Se alguém te ver vai ser bem pior.
- Eu vou arriscar.
- E quando você vai fazer isso?
- Esta noite!
    Logo que as estrelas já brilhavam forte e a lua iluminava a cidade fui até o hospício. Estacionei o carro uma quadra antes para não dar pistas ou fazer algum barulho que pudessem perceber minha presença. Entrei na recepção e fingi estar interessado em internar minha vó , mas é claro que isso nunca aconteceria.

- Então fica esse preço mesmo?
- Sim.
- Esta bom esse preço. Haaa , aqui tem banheiro?
- Tem sim. Fica a direita seguindo o corredor.
- Obrigado , já volto – sorri

   Fui até o corredor onde havia a o banheiro e coloquei meu plano em ação. Entrei na porta que dava acesso aos internados. Eu estava meio perdido , avistei um médico e o chamei.

- Doutor - gritei
- Oi - direcionou até mim
- Eu estou meio perdido , será que poderia me dizer onde fica o quarto da Jamie Carter?
- Você a conhece?
- Sim - Respondi um pouco desconfiável.
- Ela vai ficar feliz em lhe ver. Você é o primeiro a visita-la fora o pai dela - sorriu
- Acredito também que ela vai ficar feliz.
- Vamos , eu te levo até o quarto dela. Você é oque dela? - Fomos Caminhando.
- Sou um velho amigo dela , nós namoramos pouco antes dela vir pra cá.
- Por que você quer -la?
- Eu só soube a pouco tempo que ela estava aqui, então quero saber o que realmente aconteceu , sabe?
- Sei.
- O que você acha dela?
- Ela é legal , inteligente , meiga. Nós conversamos muito.
- Eu digo como médico - o Fiz parar de andar.
- Acho desnecessário ela estar num lugar como este.
- Porque?
- Ela não merecia isso. Até hoje não intendo o porque o pai dela a internou aqui. A explicação dele não conseguiu me convencer . Pode até convencer os outro médicos , mas a mim não - continuamos a andar.
- E eu não intendo o motivo disto.
-  Pronto , é aqui - apontou para a porta e olhou para a minha blusa - Como você entrou aqui sem o crachá?
- Eu estava perdido - Li seu nome no crachá.
- Cara eu vou deixar você falar com ela por 5 minutos , se alguém te ver aqui sem o crachá eu to morto.
- Ta bom , serei muito grato Doutor Richard.
- Estou fazendo isso por ela - sorriu

   Na porta havia uma pequena janela em que a vi de costas penteando seus fios dourados. Richard pegou de dentro de seu jaleco o chaveiro que estava repleto de chaves e abriu a porta para mim causando um leve barulho na porta naquele silêncio da noite. Ela permaneceu ali e costas parando de pentear seu cabelo.

- Vou fechar a porta. Ficarei aqui olhando se alguém vem.
- Ta bom.

    Andei cuidadosamente para não a assustar. Ela sabia que havia alguém a mais naquele quarto , mas ela continuou intacta fazendo com que eu ficasse mais ansioso para e a ver cara a cara. Fui dando pequenos passos até eu conseguir ver sua face. Olhei e não acreditei que aquilo era real. Olhei para o pequena raque que havia ao lado de sua cama. Em cima haviam dois porta-retratos , uma delas com a fotografia de sua família assim que criança e a outra havia a mesma mulher a segurando no colo com sua irmã gêmea impressionantemente idênticas.  As duas se pareciam muito com a mãe , mas também tinha alguns traços do pai que logo o reconheci na foto.

    Julieta seguiu meu olhar.

- Quem é você? É enfermeiro?
- Você não sabe quem eu sou?
- Não - Fez uma expressão de quem não estava intendendo - Deveria saber?
- Você não se lembra de mim nem de seus sonhos?
- Não! Você esta bem? - Franziu a sobrancelha

    Ela parecia lúcida , parecia ter certeza do que estava falando , mas isso não me convencia , então a chamei pelo seu verdadeiro nome.

- Julieta?
- O que você disse? - Falou surpresa.
- Julieta , sou eu... Justin
- Por que me chamou de Julieta? Como sabe disso? - Ficou surpresa - Eu não te conheço !
- Como assim não me conhece? Você pediu ajuda nos meus sonhos , você deve ter sonhado comigo também.
- Você deve estar delirando , eu nunca te vi.
- Agente se conhece sim , eu sei tudo sobre você - uma lágrima escorreu sobre meu rosto.
- Durante todos esses anos ninguém nunca veio aqui além do meu pai , dai você aparece aqui dizendo isso - falava com um tom de medo - Desculpa , mas é você que precisa ser internado.
- Essas duas crianças aqui é você Julieta e a sua irmã Jamie - Peguei o porta-retrato do raque e apontei - Que logo morreu quando era criança. Vocês adoravam ficar cantando uma para outra no pôr do sol - A cada palavra que eu falava , eu falava mais e mais rápido com o choro preso na garganta - Essa ao lado é a sua mãe que morreu no incêndio provocado pelo calor intenso daquele verão. Esse no meio de vocês é o seu pai , o causador de tudo isso que esta acontecendo com você.

    Lágrimas escorreram pelo seu rosto branquinho como a neve.

- Você não sabe de nada - Gritou e derrubou os porta-retratos , deixando várias trincas no vidro.

    Logo que o Richard ouviu o barulho abriu a porta e Julieta começou a gritar.

- Tira ele daqui , ele é um louco , tira ele daqui por favor!

    Ela se levantou em lágrimas e seguiu até Richard de pés descalço e o abraçou com toda a sua força como se daquela maneira ela estivesse sendo protegida.

- Shiu , não chora eu to aqui - encostou sua cabeça em seu peitoral e fez carinho em seu cabelo - O que você fez cara? Eu sabia que não era pra ter te deixado entrar - Falou zangado e com fúria em seus olhos.
- Eu tinha que fazer isso , ela vai ter que aceitar tudo o que eu sei sobre ela para poder tira-la daqui.
- Saia daqui - Gritou.
- Eu vou sair , mas se você repensar melhor , fale para o Richard me procurar. Eu estarei sempre no 2° quarteirão daqui no meu carro. Eu não vou desistir de você Julieta - Falei seu nome num tom de voz diferente e sai.

[...]

- Ele te fez alguma coisa?
- Não. - Falei enxugando minhas lágrimas com a manda do camisola
- Por que você ficou daquele jeito?
- Ele falou algumas coisas que eu não preferia lembrar - Dei um passo e dei um gritinho com uma dor no pé - Acho que tem alguma coisa no meu pé.
- Deixa em ver - Se agachou e olhou meu pé - Deixa eu te por na cama e ir pegar a pinça e desinfetar isso.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Aqui tem algumas respostas de alguns comentários , leiam por favor *o*

     Ooii gente , apareci finalmente uahsuah. Esse capítulo já estava pronto a algum tempo na folha mas a preguiça tava maior em passar pra cá kkkkkkkkkk. Esse capítulo deixei maior que os outros hehe. Obrigada pelo carinho gente , de coração , fico muito feliz. Sejam bem vindas Bruna e Samira <3  E Cesar , eu pego os gifs pelo Tumblr mesmo , eu fico lá na dash e o que eu acho legal favorito pra usar aqui , mas agora eu tava olhando alguns Tumblrs e achei esse daqui com alguns gifs interessantes ( www ). 

       A indicação de hoje é a fic da Jujuba uhashas ( www )

Vou tentar postar o próximo capítulo o mais rápido possível. e novamente muito obrigada gente <3